quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Paz que excede todo entendimento...



A paz que se vive no eremitério é desse gênero que excede todo entendimento, pois o eremita vive sua vida escondida em Deus, no silêncio e na pobreza, oculto aos olhos do mundo, sem esses apelos da vaidade que nos faz desejar honras e nos causa grande dissipação do espírito. A pobreza, o desprendimento, a solidão, o recolhimento, a vida no silêncio, nos faz dependentes unicamente de Deus, e as relações de amor com a Trindade brotam não de consolações românticas, mas de noites escuras onde a alma é purificada como ouro no cadinho. É preciso perseverar sempre. Guardar o recolhimento, a clausura do eremitério, e manter a oração contínua... O eremita que quer crescer no amor de Deus deve estar sempre pronto a beber do cálice da amargura tal como Cristo, o Divino Esposo, no Jardim das Oliveiras... E perseverar aos pés do Mestre num exercício continuo de amor e entrega.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário