quinta-feira, 19 de maio de 2016

A purificação dos sentidos

Que o eremita tenha sempre presente que estando no deserto de seu eremitério Deus há de visitá-lo pela purificação dos sentidos e das paixões. Há de levar sua alma para o fogo e reduzir a cinzas tudo que lhe seja contrário. E que fogo é esse senão o Divino Paráclito, Fogo Devorador, que a tudo incendeia no Amor Divino? Estejamos atentos. O caminho pode ser curto para alguns e longo para outros. É preciso se submeter sempre a vontade divina e em tudo dar graças. Nunca se desesperar pelo peso das purificações e das provações. Mas recorrer sempre que extenuado ao Divino Consolador. E manter o silêncio, o recolhimento, a clausura, sofrendo inteiramente unido ao Verbo Encarnado e sendo-lhe sempre submisso. A vida neste mundo é para angariar méritos. Mas já podemos viver nosso céu na terra se soubermos nos unir intimamente com a Trindade Santa. Todo esforço e toda resignação são recompensados por Deus, que nunca se deixa vencer em generosidade, e por mais dolorosa que seja a purificação, esta sempre dentro de nós para nos dar a vitória. 

terça-feira, 10 de maio de 2016

Abandono perfeito a vontade de Deus

Que a santidade traga alguns segredos é sabido por muitos. Entre estes, esta a conformidade com a vontade de Deus, o abandono perfeito. Conforme ensina o R. P. Caussade, da Companhia de Jesus, a fidelidade a vontade de Deus era toda a espiritualidade dos antigos, que atingiram altos cumes de santidade numa vida de singela simplicidade. 

Assim deve ser a vida do eremita: exercício constante de fidelidade a vontade de Deus, que o atraiu ao deserto para estar sempre a sós com ele, vivendo a vida no silêncio, no recolhimento, na mais intima união com a Trindade. 

Pois a vontade de Deus para o eremita é que viva de sua Providência, abandonado inteiramente em suas mãos, que se ocupe do louvor de Sua glória, que lhe tribute todo tempo a honra devida, que o adore, ame, sirva e sempre espere dele todos os bens. 

E que saiba o dom precioso que lhe foi concedido por Deus e jamais troque a intimidade com Ele pelo entretenimento com suas criaturas... 

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Ó Beatitude

Segundo as Escrituras os inimigos do homem são três: O demônio, o mundo e a carne. Ora os Padres do deserto sempre nos advertiram da intensidade com que se dão no deserto estes combates. Por esta razão muitas ordens religiosas e em especial os camaldolenses sempre exigiram uma forte provação antes de permitir a vida eremítica para seus monges...

É aqui que experimentamos, como Cristo no deserto, o quanto o demônio nos quer oprimir, e o quanto ele nos quer fazer abandonar a solidão e o silencio.
Pois aqui estamos a sós com Deus. Esta solidão permite doces colóquios com o Esposo. E o silencio destrói em nos o fogo das paixões e nos deixa a salvo das ilusões do mundo.


Mas o combate se reveste de vários matizes; ora ele quer que abandonemos o eremitério sob o pretexto de algum bem espiritual a comunicar aos irmãos; ora nos quer convencer de que a vida na solidão é muito dura e que não podemos suportar. E o eremita muitas vezes se vê ansioso para ter algum pretexto para atravessar os muros do seu recolhimento. É neste momento que importa não ouvir a voz do inimigo, mas manter serenamente o bom propósito e permanecer na sua solidão. 

quarta-feira, 4 de maio de 2016

O Evangelho da sublime eleição


Hoje é Vigília de Ascensão. Cristo subirá aos céus para em seguida nos enviar o Espírito Consolador, o doce Paráclito.

Mas antes estabelece uma sublime eleição divina:

“Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus e deste-mos e guardaram a tua palavra.
7.Agora eles reconheceram que todas as coisas que me deste procedem de ti.
8.Porque eu lhes transmiti as palavras que tu me confiaste e eles as receberam e reconheceram verdadeiramente que saí de ti, e creram que tu me enviaste.
9.Por eles é que eu rogo. Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.
10.Tudo o que é meu é teu, e tudo o que é teu é meu. Neles sou glorificado”S. João, XVII 6 - 10.

Eremitas prestem atenção, pois quem nos fala é o Divino Esposo! E o que Ele nos diz? Que somos dele. E Ele roga por nós junto ao Pai.

Detenhamos-nos nestas divinas palavras: “Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus”.

Ora o mesmo Santo Apóstolo João já nos havia advertido que o mundo inteiro jaz sob o poder do Maligno. E aqui o Divino Esposo distingue de modo claro os que são seus e os que são do mundo. E por isto o Santo Apostolo Tiago dirá: Adúlteros, não sabeis que a amizade deste mundo é inimiga de Deus, e que quem se faz amigo do mundo se faz inimigo de Deus?


Permanecemos sempre aos pés do Senhor em adoração e nunca cessemos de dar graças. Somos dele. Ele nos escolheu para Si. Atraiu-nos ao deserto para estar a sós conosco. Bendito seja Deus! Que seja precioso cada minuto no silencio e na solidão com o Amado.