sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

O desprezo do mundo


Os padres do Deserto amaram a Deus de uma tal forma que, desprezando a própria vida, lançaram-se no deserto, num ato de completo desprezo do mundo e sumo amor a Deus, na solidão, no silêncio, nos jejuns, orações e penitências. 

Em seguida a Igreja conheceu uma grande prosperidade que culminou no triunfo do Evangelho na Civilização Cristã Medieval, uma figura da Cidade Católica! 

"28. Tempo houve em que a filosofia do Evangelho governava os Estados. Nessa época, a influência da sabedoria cristã e a sua virtude divina penetravam as leis, as instituições, os costumes dos povos, todas as categorias e todas as relações da sociedade civil. Então a religião instituída por Jesus Cristo, solidamente estabelecida no grau de dignidade que lhe é devido, em toda parte era florescente, graças ao favor dos príncipes e à proteção legítima dos magistrados. Então o sacerdócio e o império estavam ligados em si por uma feliz concórdia e pela permuta amistosa de bons ofícios. Organizada assim, a sociedade civil deu frutos superiores a toda expectativa, frutos cuja memória subsiste e subsistirá, consignada como está em inúmeros documentos que artifício algum dos adversários poderá corromper ou obscurecer" Leão XIII - Immortale Dei.

Mas o antigo inimigo não se deu por vencido e novamente disseminou o veneno do erro na Sociedade Católica. Hoje, após o advento do Vaticano II, vivemos uma apostasia em massa dentro da Cidade Católica. Usurparam o poder das chaves e a heresia domina por toda parte! 

Mais do que nunca Deus quer suscitar almas que "fujam para o deserto"e vivam na oração e no silêncio, na solidão, no jejum e na penitência. Desagravando tanta sorte de males e tanta prevaricação. É preciso desprezar este mundo apóstata e inimigo de Deus! 

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Solidão, silêncio e oração!

Não descuide jamais do seu recolhimento, do desejo sincero de união com Deus que se dá pela oração constante, pela adoração, ação de graças e súplicas. No silêncio e na paz da alma enamorada de Deus. Na solidão e misterioso convívio com a Trindade. 

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Vita abscôndita



Só há verdadeira vida interior quando a alma busca somente a glória de Deus, esquecida de si mesma, e absorta apenas na visão do Amado.

“Vita vestra est abscôndita cum Christo in Deo” Col. III, 3.

Assim, escondida em Deus, recolhida, longe do barulho do mundo e das paixões, na solidão de sua cela, a alma busca a Deus somente e só a Ele deseja.

Não se incomoda com as intempéries que cercam o corpo ou a alma. Não busca consolações. Se oferece como vitima de holocausto.

Segue, silenciosamente, adorando a Deus, bendizendo seu Santo Nome, glorificando o Pai, o Filho e o Espírito Santo que habita o mais intimo de sua alma.


Essa é a verdadeira vida interior. 

sexta-feira, 9 de junho de 2017

A guarda da cela

É doutrina comum dos Padres do Deserto que guardar a permanência na cela é essencial para a vida da graça no monge e no eremita. 

Evagro, o Pôntico, nos ensina a sempre recusar todo convite para deixar a nossa cela:

"E se você for constantemente convidado a deixar sua cela, recuse. Pois a permanência prolongada fora da cela é nociva, ela desfaz a graça, obscurece o entendimento, extingue o fervor. Veja como uma jarra de vinho que permanece por longo tempo em seu lugar, sem ser remexida, torna o vinho claro, decantado, perfumado. Se, ao contrário, ela é transportada de um lugar para outro, ela produzirá um vinho opaco, misturado e que mostra todas as desagregações da borra".



terça-feira, 6 de junho de 2017

O homem de vida interior


O homem de vida interior não perde seu tempo com as coisas do mundo. Sabe que a amizade deste mundo é inimiga de Deus. Sua vida é recolhida. Afastada das dissipações do espírito. Vive para o Amado. Não quer outro bem que não seja Deus. 

Não se perde nas vaidades desta vida nem dá atenção as glórias deste mundo. Vive sua vida escondido em Deus. Nada lhe desagrada mais que ter que se ocupar, vez por outra, do próprio sustento ou da saúde. 

Vive o silêncio como uma grande graça que nunca deve ser desperdiçada. Bebe até a ultima gota da Água viva que vem do Espirito Santo de Deus e que transborda na sua vida interior. Ele vive da Trindade. 

quinta-feira, 1 de junho de 2017


+
Nada 
destrói mais em nós 
o amor a Jesus Cristo 
que o apego as criaturas 
seguido pelo desejo de 
consolações! 

+++

terça-feira, 30 de maio de 2017

A Fé não é de todos!

A apostasia dos tempos modernos torna cada vez mais evidente as palavras da Carta do Santo Apostolo Paulo aos Tessalonicenses em seu capitulo III, versículo 2: A Fé não é de todos. 

É certo que sem Fé é impossível agradar a Deus. 

Ora a Fé pertence as três virtudes maiores, chamada de teologais, infundidas na alma juntamente com a graça santificante e nos ordenam, segundo Santo Tomás, diretamente para Deus, conforme o que está discutido na Questão 62 sobre as virtudes teologais na I-II.

Nosso Senhor nos Santos Evangelhos pergunta: "Acaso julgais que o Filho do Homem quando voltar encontrará Fé sobre a terra - São Lucas 18, 8"? 

Esse é o retrato dos nossos tempos... A apostasia praticamente varreu a Fé sobre a terra. Onde se julga ter alguma fé o que se verifica é superstição e idolatria. 

O triunfo da heresia modernista no Vaticano II é responsável pela perda da Fé e destruição dos Dogmas de nossa Santa Religião no meio de um povo outrora católico. 

É neste contexto apocalíptico que vejo Deus suscitando almas contemplativas e encaminham-do-as para o deserto, para a solidão e o silencio, adorando e reparando pelos pecados de apostasia do clero e do povo. 

Quem tem Fé divina e Católica tem o dever de promover e amparar este gênero de vida para a honra e gloria de Deus, bem da Santa Igreja e salvação das almas!